Falha Nossa

Deixe um comentário...
A sessão do “Isso não vai dar certo” não para de crescer na observação nossa de cada dia nos trilhos.
Existem tantas situações de tragédia anunciada que caberiam muito mais do nesse artigo semanal com poucas letras.
Toda vez que olho para os lados, vejo usuários realizando algo que imediatamente já percebo que não vai dar certa tal ação.
Vamos aos fatos para ver se concordam ou não com essa viajante:
Potoque chegando em Guaianazes em pleno horário de pico da tarde. Quem já o pegou sabe que ele chega nas plataformas centrais e ambas, sempre, ficam extremamente lotadas e é a verdadeira loucura para tentar entrar no bonitinho de lata.
Quando olho para o outro lado da plataforma, dois homens, engravatados e com jeito de que não sabiam o que estavam fazendo ali, seguravam uma bexiga branca, com toda delicadeza.
Quando aquelas portas se abriram, só se ouviu o ‘bum’ da primeira bexiga e o desespero do cidadão. Logo, a outra estourou também e fim de brincadeira.
Confesso que fiquei com dó porque no mínimo era para os filhos daqueles homens, mas era mais que óbvio que isso iria acontecer!
Estação da Sé, Linha Azul do Metrô, às 08h00: eu já dentro do carro olhando pela janela enquanto ele vai parando. Na plataforma, o que vejo: um garoto que aparentava uns 15 anos, com uma maquete de isopor cheia de coisa espetada, provavelmente para um trabalho na escola.
Juro que me deu uma vontade de dizer para ele: - não entre! Mas, já era tarde demais.
Quando vi, o coitado só tentava recolher o que restava daquele que deve ter sido o motivo de sua noite mal dormida e provavelmente, será das próximas já que não entregou o seu trabalho em dia.
Criança sozinha no corredor, indo para lá e para cá, fazendo todo aquele espaço o seu parque de diversões, enquanto o responsável está sentado, fingindo que não sabe de onde vem aquela gritaria toda. Logo a gente já percebe que na primeira freada, o que era riso, virará um choro daqueles irritantes e um galo latejante na testa começa a cantarolar.
Por isso, lembrem-se: não precisa fazer a Lei de Murphy ser tão presente assim. Vale sempre o bom senso!


0 comentários:

Postar um comentário